Estará Elon Musk a preparar-se para um fracasso épico?
ASSOCIATED PRESS
Página principal Opinião, Tesla, Elon Musk, SpaceX

Matthew DeBord, que colabora com o businessinsider.com, analisa a última novidade partilhada por Elon Musk.

Falhar concede um distintivo de honra em Silicon Valley. Se não estiver a falhar é porque não está a tentar. E se não estiver a falhar em grande é porque não está a pensar em grande o suficiente.

No entanto, mesmo para os padrões de Silicon Valley, aquilo de que Elon Musk (CEO da Tesla) se aproxima será falhar a uma escala totalmente nova.

A Tesla (NASDAQ: TSLA) relatou os lucros do seu primeiro trimestre na semana passada – e os mesmos foram melhores do que o esperado por Wall Street. No entanto, a notícia de Musk estar a orientar a produção de carros para uma nova direção estratégica foi arrebatadora.

A Tesla – que entregou cerca de 50.000 carros no ano passado – quer produzir 500.000 em 2018. A meta de produção não é nova – mas a data é. A Tesla tinha avançado anteriormente que iria produzir meio milhão de carros por ano em 2020.

Por detrás da mudança encontram-se as 400.000 pré-encomendas que a Tesla recebeu quanto ao seu novo Model 3 – o carro elétrico para as massas – com um preço que deverá rondar os 35.000 dólares e deverá chegar em 2017. As reservas – com um adiantamento de 1.000 dólares – representam um interessante empréstimo sem juros para a Tesla mas também um desafio para a empresa que teve dificuldade em entregar 50.000 veículos em 2015.

Ninguém acha que a Tesla irá conseguir. Seria a mais rápida evolução em termos de produção num século.

Será difícil – apenas para a Tesla

Passar de um ritmo de 50.000 por ano para 500.000 não seria tão difícil para uma fabricante de automóveis já estabelecida – uma Ford ou uma Toyota, uma GM ou uma Honda, com numerosas fábricas espalhadas pelo mundo e décadas de experiência de produção automóvel. Uma fabricante tradicional, experiente, conseguiria bater as marcas definidas pela Tesla em seis meses, se necessário.

No entanto, ao longo de grande parte da sua história a Tesla montou apenas um modelo, o Model S, numa fábrica localizada na Califórnia (atualmente tem também alguma capacidade adicional de produção na Europa). No ano passado, passou para dois modelos – e esse segundo modelo, o SUV Model X, tem tido problemas de controlo de qualidade.

A Tesla é uma empresa impressionante e Musk é um visionário – no entanto, a incapacidade da fabricante de automóveis para se tornar melhor na construção de carros é alarmante.

Os carros são difíceis, certo?

Musk tem caído no padrão didático de relembrar aos analistas como é difícil montar carros.

“Existem 6.000 – 7.000 componentes exclusivos no Model 3” – Afirmou, procurando explicar porque é que o fornecimento poderá atrasar a montagem de um carro. É claro que quem segue a indústria automóvel sabe que os carros têm bastantes partes – e que as fabricantes estabelecidas conseguem lidar com essa complexidade.

A fixação de Musk neste ponto enfraquece um dos fatores que deveria tornar a Tesla diferente: é suposto os carros elétricos serem muito mais simples e fáceis de montar do que os seus pares a gasolina/gasóleo.

Musk não tem medo de cair. Poderia ter jogado pelo seguro quando, juntamente com os seus sócios, vendeu a PayPal à eBay, no entanto pegou nos muitos milhões e afundou-os na Tesla e SpaceX – arriscando tudo nos carros e nos foguetões.

Tem apostado e ganho bastante com a Tesla: quando a mesma esteve “à beira da morte” no final de 2008, a semanas da falência; quando vendeu participações na empresa à Daimler e Toyota, que poderiam ser eventuais concorrentes; quando deu patentes da Tesla para estimular o moribundo desenvolvimento de carros eletricos; e quando se comprometeu a construir uma massiva fábrica de baterias no Nevada.

Está habituado a que o seu flirt com o fracasso não seja fatal.

Tarefa difícil

Se me tivesse perguntado (antes da semana passada) se a Tesla conseguiria alcançar os 500.000 em 2020 eu teria respondido que seria um objetivo ambicioso – considerando o histórico da Tesla – mas não impossível. Afinal de contas a GM consegue produzir esse número de carros em alguns meses.

Acelerando o cronograma em dois anos? Mesmo que concedamos à Tesla um generoso benefício da dúvida – de que poderá melhorar o seu ritmo de produção – paira ainda a questão se a linha de montagem do Model 3 estará pronta até 2018. Até agora vimos apenas uma versão muito pré-produção.

Preciso de ser relembrado que já subestimei a Tesla antes – e que estava errado.

Pode ser feito porque já foi feito.

Novamente: uma falha épica é provavelmente melhor do que uma falha lenta. Só espero que os investidores da Tesla, que recompensaram a empresa com uma capitalização de mercado de 27 mil milhões de dólares com base em expetativas quanto a um futuro próspero, saibam em que é que se estão a envolver.

Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar