Página principal Breves, Facebook, Criptomoedas, Blockchain
Tema do momento
13 de Maio de 2018
754 754

A Facebook ainda está a recuperar do escândalo da Cambridge Analytica — mas tal não a impede de realizar grandes mudanças.

A gigante do mundo da tecnologia (NASDAQ: FB) anunciou esta semana que irá nomear novos líderes para vários segmentos da empresa — transferindo as responsabilidades dos seus executivos de longa data para foco na blockchain. Na verdade a Facebook vai dedicar uma equipa completa à tecnologia emergente.

David Marcus, executivo anteriormente responsável pelo Messenger, será o líder desse grupo. «Depois de quatro inacreditavelmente gratificantes anos a liderar o Messenger, decidi que é altura de aceitar um novo desafio. Estou a criar um pequeno grupo para explorar como alavancar a blockchain na Facebook, começando do zero,» afirmou Marcus.

Mas o que poderá a Facebook fazer com tecnologia que, na sua essência, se encontra em desacordo com a premissa de uma empresa centralizada como a Facebook? A blockchain tem dados armazenados numa rede informática, enquanto a Facebook é uma empresa amplamente centralizada que detém os dados de 2 mil milhões de utilizadores globais.

Não será exagero especular que a Facebook está a levar as reações dos seus utilizadores sobre dados e privacidade a sério. Em janeiro, o seu diretor executivo Mark Zuckerberg avançou que os sistemas descentralizados — como as criptomoedas — poderão tirar o poder a sistemas centralizados e voltar a colocá-lo nas mãos dos utilizadores.

«No entanto, [as criptomoedas] vêm com o risco de serem mais difíceis de controlar. Estou interessado em aprofundar o estudo quanto aos aspetos positivos e negativos dessas tecnologias, e à melhor forma de usá-las nos nossos serviços.» — Acrescentou Zuckerberg.

Por outras palavras, poderá tratar-se de movimento exploratório da Facebook para se manter no topo das tendências, mas também se poderá tratar de sugestão da possibilidade de a Facebook estar disponível para alavancar a tecnologia blockchain para ajudar os utilizadores a controlar e talvez até a monetizar os seus dados.

Fonte: Fortune

Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar